Deus Existe



Visitantes: 3097

Os Discos Voadores, os Extraterrestres e a Bíblia

capítulo XI



Existe conhecimento acumulado que nos permita concluir se existem, sem sombra de dúvidas, os chamados discos voadores, UFOs ou OVNIs, de origem extraterrestres, e que conexão essas informações tem com a Bíblia?

 
 

OVNIs ou UFOs: os registros de naves gigantes feitos pela NASA, através das naves Apollo, dos ônibus espaciais e da Estação Espacial Internacional - ISS

 por Celio João Pires

 

Resumo: Desde os primeiros registros de UFOs e OVNIs, na Segunda Guerra Mundial, aumentaram consideravelmente os registros de relatos de contatos e observações, tanto em imagens fotográficas quanto em filmes, com melhoria significativa da qualidade e quantidade. Milhares de registros foram feitos, e de estudos levados a efeitos pelos governos, principalmente americanos, franceses, russos, brasileiros e outros países, mostraram que, de todos os registros, pelo menos 5% são totalmente inexplicáveis em termos de tecnologia humana ou eventos naturais e constituem o fato UFO/OVNI. Os melhores registros são os obtidos por observadores extremamente qualificados, como pilotos de aviões militares e civis, bem como aqueles feitos por operadores de radar das torres de controles de aeroportos, também civis e militares. Mas, o que considero como registros incontestáveis, e também assim o são, pelos estudiosos das ocorrências UFO/OVNI, são os contatos e registros efetuados pelos astronautas ao longo de toda a história aeroespacial, tanto pelos americanos, quanto pelos russos. Este é o foco deste artigo.

Summary: From the earliest records of UFOs and OVNI in World War II, considerably increased the records of contact reports and observations, both in images as in movies, with significant improvement in quality and quantity. Thousands of records were made, and studies carried effects by governments, mainly American, French, Russian, Brazilian and other countries, showed that of all records, at least 5% are totally inexplicable in terms of human technology or natural events and constitute the fact UFO/OVNI. The best records are obtained by extremely qualified observers, as pilots of military and civilian aircraft, as well as those made by radar operators of the towers of airports controls also civilian and military. but what I consider as indisputable records, and also so are the students of the UFO/OVNI occurrences, are the contacts and records made by astronauts throughout the aerospace history, both by the Americans, as the Russians. This is the focus of this article.

Palavras-chaves: UFOs.  OVNIs. Discos Voadores. NASA. ISS. Ônibus Espacial. Shuttle. Apolo 10. Apolo 11. Viagem à lua. Contatos Imediatos. Contatos de primeiro grau. ETs. Extraterrestres. Alienígenas. Astrobiologia. Exobiologia.


1          Introdução

                 Desde os primeiros registros de OVNIS ou UFOS na Segunda Guerra Mundial, (em 24 de junho de 1947 com o registo visual do piloto particular Kenneth Arnold, em Washington, EUA1,2 , só tem aumentado a curiosidade dos humanos, bem como a quantidade de contatos relatados e a qualidade das imagens em fotografias e vídeos feitos pelos mais diversos tipos de observadores, em todo o mundo.

                O site da revista UFO, na internet, nos dá alguns números sobre a dimensão global das ocorrências:

"Nas últimas três décadas, segundo estimativas recentes, mais de 200 mil fotografias e cerca de 35 mil filmagens desses objetos voadores não identificados foram obtidas em cerca de 150 países".3

              Com a disseminação de celulares com câmeras, e a melhoria da qualidade das câmeras fotográficas e filmadoras, milhares de registros vêm sendo efetuados e disponibilizados à população em geral através da imprensa, internet e televisão.

            Alguns países amadureceram o entendimento sobre as ocorrências do UFO ou OVNI e também graças às leis de direito à informação, estão liberando seus registros, até então confidenciais, para a população interessada nos mesmos, principalmente aqueles registros feitos por militares, forças aéreas e aviação civil, tanto de imagens e relatos, como registros de radar em salas de controle de voos de aeroportos civis e militares.

                Um dos projetos militares que buscou informações de forma sistemática e científicas sobre os UFOs/OVNIs, foi o projeto Livro Azul ou Blue Book, da Força Aérea Americana4 Tal projeto teve projets antecedentes, os Projeto Sign e Projeto Grudge, e teve como saldo, que em 6% dos 12.618 casos analisados, 701 permanecem inexplicáveis.

              Cerca de 20 países já liberaram suas informações, obtidas por projetos semelhantes ao Livro Azul, pelas respectivas forças armadas (exército ou aeronáutica), entre eles Brasil, Argentina, Chile, Uruguai, França, Inglaterra, Rússia, EUA, Espanha, entre outros5. Argentina e Chile, inclusive, tem instituições próprias, governamentais, para estudar cientificamente as ocorrências juntamente com as entidades interessadas no assunto.

         Para ver alguns dos documentos oficiais liberados pelo governo brasileiro, acesse o conteúdo do site Fenomenum: www.fenomenum.com.br/ufo/governo/brasil/docbra.htm6

           Um exemplo conhecido no Brasil ocorreu há mais de 20 anos atrás, e o programa Fantástico, da Rede Globo, fez uma reportagem sobre os OVNIs, em que noticiou o relato da Força Aérea Brasileira, sobre uma frota de 21 possíveis naves extraterrestres, estavam voando sobre nosso território. Foram enviados aviões de caça para interceptar os OVNIs e por três horas ficaram atrás deles, em perseguição, até que os aviões foram cercados. Segundo o ministro da Aeronáutica da época, os OVINIs, acompanharam os aviões por vários minutos, em escolta (sete de um lado e 6 de outro, como uma escolta), e depois saíram em altíssima velocidade e desapareceram.7

                Os OVNIs foram detectados inicialmente pelos sistemas de radares da Força Aérea e continuaram visíveis, juntamente com os aviões em perseguição, então, não se pode dizer que não eram objetos sólidos, voadores. Também fica improvável afirmar que as testemunhas oculares não eram habilitadas, no caso, os pilotos, e que os mesmos não perseguiam nuvens, estrelas, e que balões meteorológicos podem se deslocar a mais de mil quilômetros por hora, e depois desaparecerem em velocidades absurdas (velhas explicações ridículas, ditas científicas, atribuídas pelos ditos especialistas, consultados sobre o assunto).

 

2          Evidências de UFOs/OVNIs registrados por voos espaciais: histórico

 

                 Utilizando mecanismos de busca (Google/Bing e outros) é possível localizar muitos filmes que mostram óvnis, já descobertos pelos estudiosos do assunto, popularmente chamados de ufologistas, e apresentados, principalmente, no site www.youtube.com (veja exemplo a seguir: www.youtube.com/results?search_query=OVNI+UFO+NASA+Shuttle+ISS)8. Utilizei nas palavras de busca: OVNI UFO NASA Shuttle ISS, para descobrir dezenas de registros.

              Ao longo da história da astronáutica, desde que os nossos primeiros astronautas se aventuraram fora da Terra, ocorreram registros e relatos de objetos desconhecidos acompanhando nossos (da humanidade) primeiros passos no espaço.

              Claro que essas informações demoraram um bom tempo para vir a público, principalmente do receio das autoridades da época e até atuais, principalmente militares, durante o período da chamada Guerra Fria, de que a divulgação de tais ocorrências pudesse desestabilizar e gerar pânico nas pessoas dos respectivos países.

          Além disso, na minha opinião, a visão tacanha e preconceituosa de cientistas, que pelas limitações do conhecimento, principalmente científico, e de suas visões filosóficas, rejeitaram a possibilidade de que seres de outros mundos pudessem viajar pelas enormes distâncias e chegar até a Terra. A base equivocada de tal raciocínio é que os habitantes da Terra não têm tecnologia para fazer viagens tão longas no período de vida que nós vivemos (até uns 100 anos). Só por isso, voluntaria ou deliberadamente, rejeitam as observações e registros de OVNIs, como algo que não existe ou não pode existir.

               Outro aspecto, é que nossa tecnologia espacial é incipiente e ainda repousa sobre combustíveis fósseis, algo de baixa energia para viagens tão longas e desafiadoras. Algo que, na minha opinião, não seria nenhum problema para povos que eventualmente tenham vida muito mais longa do que a nossa e cujas tecnologias já se desenvolveram ao longo de milhares ou milhões de anos. Por contraste nossa tecnologia tem apenas uns 250 anos!

          A compartimentalização  da  Ciência, em várias disciplinas, que não se comunicam entre si, é outro aspecto limitador e alimentador desse preconceito infantil. Afinal temos milhares de registros, inclusive fotográficos e filmes, que não podem ser ignorados, nem explicados por ocorrências de fenômenos naturais, ou mesmo confusão de interpretação por falta de capacidade técnica em caracterizar e separar as ocorrências ilusórias de eventos reais.

               O percentual de 5% não explicável dos relatos e observações, constitui o fato de que civilizações muito mais avançadas que a terrestre, existem e viajam pelas enormes distâncias entre as estrelas, mas são arredios em contatar-nos abertamente. Nossa visão primitiva, egoísta e belicosa, deve ser o maior empecilho para contatos mais abertos, minha melhor inferência no momento.

 

3          UFOs/OVNIs registrados pelos ônibus espaciais e pela Estação Espacial Internacional

 

            Para obter registros confiáveis das ocorrências – prefiro chamar de ocorrências ao invés de fenômenos, pois a palavra fenômeno pode levar à interpretação equivocada de que seja um fenômeno natural, quando na realidade é uma ocorrência artificial, provocada por entidades tecnologicamente avançadas e inteligentes – busquei os filmes e fotos feitos pela Agência Espacial Americana, NASA, através dos voos tripulados desde os primórdios da era espacial (missões Mercury e Apollo) até aos ônibus espaciais e finalmente, pela Estação Espacial Internacional – ISS, em que os astronautas, documentando cada missão (fotos e vídeos), registraram objetos curiosos próximos às missões ou passando ao fundo, como partes da paisagem espacial!

             Também comprei alguns DVDS que reúnem esses e outros filmes, em inglês, alguns dublados ou legendados, em forma de documentários, no site da revista UFO9 (Veja um exemplo dos vídeos disponibilizados aqui: www.ufo.com.br/loja/videoteca/) que reúne um enorme acervo de livros, imagens e DVDS tratando sobre esse assunto, com a maior profundidade possível – creio que um dia será muito útil à Ciência convencional, depois de anos negligenciando o assunto.

 

                a)    Caso 1: O OVNI e o Estreito de Gibraltar: a possibilidade de calcular o diâmetro da nave

 

            Mas o que me chamou a atenção, e que não vi comentários ou análises técnicas nos filmes que vi, é a enorme velocidade e tamanho dos objetos filmados pela NASA em seus vídeos, registrados por mero acaso, em que as operações que estavam sendo feitas fora do ônibus espacial ou da Estação Espacial Internacional (ISS) estavam sendo filmadas, como documentário dos trabalhos, e os OVNIs/UFOs foram registrados nas imagens.

            Utilizei como parâmetro aproximado de comparação para a velocidade dos objetos, o diâmetro da terra visível, que é cerca de 20 mil quilômetros.

            Os ônibus espaciais se encontravam, em órbita da Terra, normalmente, a 320 quilômetros de altura, mesma altura.

             Aqui na Terra, não podemos enxergar tão longe, a menos que estejamos em uma altura considerável, em montanhas, se não, o horizonte visível chega a cerca de 5,6 quilômetros, no nível do mar10.

             Em lugares mais elevados, há uns 900 metros por exemplo, é possível enxergar o horizonte até uns 100 quilômetros de distância.

             Quanto mais longe um objeto, menor ele nos parece, e se ele está visível a mais de 300 quilômetros de distância, ele tem um tamanho considerável.

             Procurei dimensionar o diâmetro de alguns dos OVNIs, e um me chamou a atenção, pois estava passando perto do Estreito de Gibraltar, que tem cerca de 14,4 km de largura, o que me deu a referência visual11,12.

             O OVNI estava voando no topo da atmosfera (é lícito inferir), ou seja, a uns 20 quilômetros de altura, e a mais 300 quilômetros de distância (estimativa) da Estação Espacial. Fiz os cálculos usando uma regra de três simples: medi a largura aparente do Estreito de Gibraltar, na sua menor largura, deu 20 (vinte) milímetros (em meu monitor de 22 polegadas). Medi a largura aparente do OVNI, resultou em 3 (três) milímetros.

             Aplicando a regra de três simples: se 20 mm equivalem a 14.400 metros, três milímetros equivalem a 2.160 metros de diâmetro! Seu diâmetro observável era de pelo menos dois quilômetros aproximadamente, quando comparado com a largura do Estreito de Gibraltar!

                   Na imagem abaixo, a largura mínima do Estreito de Gibraltar está marcada com duas flechas pretas, em sentido contrário e o OVNI é o objeto em cor branca, dentro do círculo preto.

Figura 01: OVNI passando perto do Estreito de Gibraltar

Fonte: NASA/ISS13

            Algo inimaginável para um objeto voador! A título de comparação, o maior porta-aviões do mundo (em 2011), era o USS Enterprise (CVN-65), americano, com 342,3 metros de comprimento, 75,6 metros de largura e 39,9 metros de altura, pesando 89.600 toneladas e 5.830 tripulantes14.

             Logo, uma espaçonave com essas dimensões deve ter capacidade para levar milhares de tripulantes, se calcularmos, mantidas as proporções do porta-aviões, cerca de 36 mil pessoas! Uma verdadeira cidade voadora!

                Busquei calcular  ainda,  a velocidade do OVNI, baseado na largura do Estreito de Gibraltar e a distância percorrida pelo mesmo (mantida a proporção do Estreito de Gibraltar) em 5 segundos (entre o aparecimento no vídeo e sua saída do vídeo). Nessas proporções, o objeto percorreu cerca de 117 mil metros, a uma velocidade de 23 mil metros por segundo. Isso é muito mais do que nossos foguetes atingem para entrar em órbita da Terra (velocidade de escape de 11 km por segundo).

                 Poderia se alegar que, era um meteorito entrando na atmosfera, pois está dentro da faixa de velocidades de meteoritos, o que é parcialmente verdade, mas os meteoritos têm velocidade mínima de cerca de 30 quilômetros per segundo e máxima de 73 km por segundo. Essa característica, e o seu diâmetro gigantesco, desqualificam tal objeto como um meteorito (se fosse o caso estaria mais para um asteroide do que para um pequeno meteorito).

 

                b)   Caso 2: OVNI passando sobre o sul da Índia

 

            No mesmo vídeo12, nos primeiros 20 segundos de exibição, observamos um OVNI aparecendo sobre o oceano e se deslocando em direção à Índia, demorando uns sete segundos para percorrer toda a distância desde o seu aparecimento no vídeo, até desaparecer, e utilizando o tempo de exibição do vídeo, segundo pude estimar, num percurso de pelo menos uns 1.200 quilômetros.

                 O referido vídeo foi feito pela Estação Espacial Internacional – ISS -, sendo possível ver os painéis solares da mesma no canto direito da imagem.

                   Utilizei o Google Maps para fazer o cálculo aproximado da distância percorrida pelo OVNI, e fiz a estimativa da velocidade15. O resultado é um objeto se deslocando a cerca de 170 quilômetros por segundo. Forças inerciais enormes devem ser anuladas para manter a integridade física do objeto, bem como energias absurdamente elevadas devem ser usadas para tal aceleração e velocidades.

                   A que se considerar, ainda, em relação às dimensões deste OVNI, a distância em que ele se encontra da ISS, que de acordo com a imagem, eu estimo em uns três mil quilômetros, o que deve aumentar consideravelmente seu diâmetro, comparativamente ao diâmetro estimado do OVNI anterior (2.160 metros, aproximadamente). Estas podem ser consideradas como naves-mães, ou interplanetárias, pelo seu tamanho (definição dos ufologistas). As naves que eventuais observadores aqui na Terra avistam, são naves auxiliares, exploratórias, algumas tripuladas e outras não, e pelo seu pequeno porte, devem ser consideradas sondas de observação.

              A figura 02, abaixo, mostra o OVNI, logo que aparece no vídeo, destacado com o círculo preto e a figura 03, mostra o OVNI sumindo entre as nuvens, no norte da Índia, destacado, também com o círculo preto.

 

Figura 02: OVNI aparece no sobre o oceano e se dirige para a Índia

Créditos: NASA/ISS13

 

 

Figura 03: OVNI desaparece entre a  s nuvens no norte da Índia

Créditos: NASA/ISS13

            Mas, observando outros filmes, tais dimensões não são incomuns, muito pelo contrário, tem OVNIs registrados muito maiores, conforme apresentaremos na sequência do artigo.

             Mas por que não vemos tais objetos passando por cima de nossas cabeças?

            A velocidade extrema com que se deslocam é absurda! Nossos foguetes e naves espaciais, para entrarem em órbita da Terra, precisam se deslocar a pelo menos, 11 km por segundo (cerca de 28 mil quilômetros por hora). Os meteoritos que impactam a terra, no sentido do movimento da terra ao redor do sol (impacto frontal), se deslocam com velocidade de cerca de 73 quilômetros por segundo. O meteoro que explodiu sobre a cidade russa de Cheliabinsk, em 15.02.2013, estava se deslocando a cerca de 30 quilômetros por segundo16.

             Dessa forma, fica muito simples entendermos porque não vemos tais objetos, mesmo enormes, passando sobre nossas cabeças! Nossos olhos simplesmente não teriam como perceber a velocidade desse movimento, nem câmeras de alta velocidade teriam capacidade de registrar um objeto desses nessas velocidades. É possível compreendermos, então, as afirmações daqueles que dizem que o OVNI simplesmente “sumiu”. A extrema aceleração não é perceptível aos nossos olhos. Ele simplesmente some da nossa frente!

 

                 c)    Caso 3: O OVNI da Apollo 10

 

            O terceiro caso que apresento, é o OVNI registrado pelos astronautas da Apollo 10, em que para registrar todos os detalhes da missão, levaram uma câmera manual, colorida (utilizando filmes em rolo). O OVNI estava passando a uns 100 quilômetros abaixo, em alta velocidade, desaparecendo em poucos segundos17.

             Para ser visível nessa distância o objeto deveria ser enorme, mais de 500 metros de diâmetro, pelo menos (é possível calcular o diâmetro utilizando recursos matemáticos de trigonometria, uma vez que se sabe a distância aproximada em que o objeto se encontra).

             Na Figura 04 abaixo, um quadro do filme citado acima, é visível o OVNI, destacado no quadro preto, passando abaixo do módulo da Apollo 10, e sobre a Lua, em alta velocidade. O OVNI aparece aos 14 minutos e 30 segundos de exibição do vídeo, e desaparece no topo do vídeo aos 14:35 minutos.

 

Figura 04: OVNI passa abaixo do módulo lunar sobre a Lua

Fonte: NASA, Apollo 1018

           

              d)   Caso 4a: O OVNI da Apollo 11 e o relato de Buzz Aldrin

 

          O vídeo, a seguir, contém o relato do astronauta Buzz Aldrin, destacando que o objeto visível, que acompanhava a Apollo 11 à distância, não era parte do foguete Saturno (último estágio), pois a NASA informou que esse estágio estava umas 6 mil milhas de distância, e não poderia ser visto daquela posição19.

 

Figura 05: Declaração de Buzz Aldrin

Fonte: Carvalho(2014)20

           Ele declara, veja Figura 05 acima, que “havia algo lá fora, perto o bastante para ser observado20, semelhante a um objeto visto novamente em uma missão posterior e registrado em filme. Observaram o objeto, inclusive com um telescópio.

            Em 12 de julho de 2014, ele tornou a repetir a história, contada pela primeira vez em 2005, e ressaltou que estava convencido de que o objeto era um OVNI conforme reportagem do site Terra21.

             Em uma entrevista posterior, em agosto de 2007, num programa de entrevistas nos EUA22, ele refaz a explicação, informando que podiam ser partes do foguete Saturno ou de partes da cobertura do módulo Apollo, que é solta para preparar a viagem para a Lua, quando são retirados e invertidos o módulo de descida, que fica protegido no corpo do foguete.

             De qualquer forma, as imagens dos vídeos demonstram que não eram partes do foguete, mas OVNIs legítimos. Existe inclusive relato de Neil Armstrong, quando na superfície da Lua, informando ao centro de comando na Terra de que OVNIs e seus tripulantes estavam além de uma cratera observando as atividades humanas na superfície da Lua23.

 

Figura 06: Astronauta da Apollo 11, Buzz Aldrin

Fonte: Harris; Getty Images

             Nas figuras abaixo, temos capturadas duas imagens do vídeo que foi feito pelos astronautas da Apollo 11, de uma câmera manual colorida da época. Provam-se as afirmações do velho astronauta Buzz Aldrin, de que havia um objeto fora da nave, cabendo destacar que eles estavam a mais de 6 mil quilômetros da Terra24.

 

Figura 07: OVNI filmado pela Apollo 11

Fonte: NASA/Apollo 1125

 

Figura 08: OVNI da Apollo 11, ampliado no detalhe

Fonte: NASA/Apollo 1125

 

             e)    Caso 4b: O OVNI da Apollo 11 – Vídeo remasterizado em comemoração aos 45 anos da descida na Lua

 

            Em comemoração aos 45 anos do primeiro pouso na Lua, pela tripulação da Apollo 11, em julho de 2014, foram recuperadas e remasterizadas as imagens de TV e vídeo, feitas pelos astronautas naquela ocasião, cuja notícia, a que tive acesso, foi publicada pela Folha de São Paulo, edição eletrônica, no blog Mensageiro Sideral, do jornalista Salvador Nogueira26.

             Como assisti ao vivo o pouso na Lua pela TV naquela época, baixei os vídeos em meu computador para assistir mais tarde, pois são vídeos longos (o feito manualmente, a bordo da nave, tem uma hora e trinta minutos e o feito para TV, tem três horas e dois minutos27.

            Como havia assistido o vídeo da Apollo 10, em que aparece um OVNI, resolvi ver se no da Apollo 11, também não era registrado o famoso OVNI relatado por Buzz Aldrin, acima referidos (veja casos 3, 4a e 4b).

            Qual minha surpresa ao ver aos 50 minutos e 45 segundos, um OVNI semelhante ao da Apollo 10 (ver caso 3, acima) passando abaixo da nave sobre a Lua, há uns 100 quilômetros de distância (nesse ponto do vídeo, já era possível ver a curvatura da Lua abaixo, à esquerda da imagem, sendo lícito inferir que a mesma já estava em órbita lunar, cuja altitude máxima chegava a 110 quilômetros). A passagem do OVNI dura uns 7 segundos.

       Na Figura 09, abaixo, o OVNI está destacado em quadro de cor branca, e segundo pude calcular, por trigonometria, aproximadamente, o mesmo possuía, cerca de 1.800 metros de diâmetro.

 

Figura 09: OVNI abaixo da Apollo 11, sobre a Lua à cerca de 100 km

Fonte: NASA/tripulação da Apollo 1128

 

            Encaminhei o relato da descoberta ao jornalista Salvador Nogueira, da Folha de São Paulo e ao editor da revista UFO, senhor A.J.Gevaerd, para conhecimento, em 28 de julho de 2014.

            Posteriormente, quando da elaboração deste artigo, descobri que outro pesquisador já havia observado esse OVNI e descoberto mais um na sequência do vídeo28 que também pode ser visto no filme que analisei, citado imediatamente acima, aos 51 minutos e 03 segundos do vídeo.

 

            f)     Caso 05: OVNI no Irã – Passageiro filma OVNI passando sob seu avião

 

            Com as facilidades hoje existentes, conforme já destacamos, as câmeras de celulares, não obstante a baixa resolução, permitiu a um passageiro de avião, flagrar um OVNI se deslocando e passando por baixo de um avião comercial. O passageiro estava atento e filmou o objeto em deslocamento até o mesmo sumir sob o avião, cujas trajetórias se cruzaram sobre os céus do Irã.

            A notícia foi relatada no site www.terrra.com.br, TerraTV, em 12 de novembro de 2014 e o vídeo pode ser visto aqui 28. Na imagem abaixo, o OVNI está destacado dentro do círculo preto (quadro retirado do vídeo).

 

Figura 10: OVNI em deslocamento nos céus do Irã

Fonte: www.terra.com.br28

 

               g)    Caso 06: OVNI se aproxima da Estação Espacial Internacional e é filmado

 

            Recentemente, também, no site YouTube.com, foi publicado o vídeo, em que um OVNI se aproximou da Estação Espacial Internacional e foi filmado pelas câmeras externas da ISS. O vídeo foi publicado em 19 de março de 201429.

            Veja as imagens retiradas do vídeo, logo a seguir. Na primeira imagem o OVNI está se aproximando (dentro do círculo vermelho), e é possível ver a curvatura da Terra, em azul, iluminada pelo Sol, que se encontra à direita, abaixo na imagem, e também tem sua luz refletida na estrutura da ISS. Na segunda imagem, é dado um zoom no vídeo (não sei se foi a própria ISS que deu o zoom ou quem capturou o vídeo, o fez). No vídeo é possível observar que o OVNI gira ao redor de si mesmo.

 

Figura 11: OVNI se aproxima da ISS

Fonte: NASA/site www.terra.com.br29

 

Figura 12: Zoom do OVNI que se aproxima da ISS

Fonte: NASA/site www.terra.com.br29

 

              h)   Caso 07: OVNI observa a Estação Espacial Internacional e é filmado

           

            Em 24 de outubro de 2014, foi publicado pelo site do canal de tv paga History (seuhistory.com), de que um OVNI foi observado próximo à Estação Espacial Internacional – ISS, registrado em vídeo, também pela ISS, por ocasião de uma caminhada espacial, em que dois dos astronautas, Reid Wiseman e Alexander Gerst, estavam fazendo reparos na estação, em 07 de outubro de 201430.

              Como de praxe, não obstante, o vídeo ser divulgado pela NASA, ela não se pronunciou a respeito.

            O OVNI está entre a ISS e a Terra, destacado no círculo vermelho e aparece no vídeo, no minuto um e cinquenta segundos. É possível ver o astronauta trabalhando, nesta imagem, de cabeça para baixo, em nossa perspectiva de visão.

            Esses vídeos efetuados pela ISS, tem o objetivo de registrar e documentar todo o trabalho efetuado pelos astronautas, e sempre, casualmente, acaba registrando o que ocorre nas proximidades da estação, no caso, o dito OVNI observador.

 

Figura 13: OVNI próximo à ISS

Fonte: NASA/canal de tv paga History

 

Figura 14: Imagem ampliada, com destaque ao OVNI

Fonte: NASA/ISS, e site THOR Odyssey31

 

             i)     Caso 08: Frota de três OVNIs atravessam a parte visível da Terra e passam sob a Estação Espacial Internacional

 

            Outro vídeo muito interessante, mostra uma frota de três OVNIs aparecendo no horizonte da Terra, no lado direito do vídeo, aos 35 segundos de apresentação, passam sob a Estação Espacial Internacional, e em apenas 47 segundos, cobrem toda a largura visível da Terra (cerca de 20 mil quilômetros). Estimei a velocidade em 425 quilômetros por segundo, e desaparecem no espaço, do lado oposto de onde apareceram. As imagens foram registradas por três câmeras da ISS, e vídeo postado dura um minuto e 33 segundos.

             Pelo vídeo dá para situar a ISS na metade do caminho, ou seja à uma distância de uns 10 mil quilômetros do horizonte direito da Terra. Para os OVNIs serem visíveis nessa distância, devem ser enormes!

             Além disso, a enorme velocidade de voo é algo surpreendente, pois a tecnologia de amortecimento da inércia é algo que não possuímos, pois teríamos que conhecer como dominar a gravidade e a manipulação do espaço-tempo32.

            Selecionei três imagens dos OVNIs, extraindo quadros do vídeo, e apresento as mesmas nas figuras 15, 16 e 17, a seguir.

           Quando os OVNIs passam sob a Estação Espacial Internacional, é possível ver que eles são sólidos, pois observa-se que eles mudam de cor, da branca, para preta.

 

Figura 15: OVNIs aparecem na borda direita da Terra

Fonte: NASA/ISS/ Darkbrain32

 

Figura 16: OVNIs passam sob a ISS

Fonte: NASA/ISS/ Darkbrain32

 

Figura 17: OVNIs saem em direção ao espaço

Fonte: NASA/ISS/ Darkbrain32

 

             Não se pode dizer que as imagens são de baixa qualidade, pois são filmadas em HD, e os OVNIs são tão grandes quanto aquele que já tratamos no caso 01, aquele do Estreito de Gibraltar.

 

                 j)     Caso 09: Frota de três OVNIS avança e desaparece sobre o horizonte da Terra

 

               Neste caso, três OVNIs aparecem no canto esquerdo da imagem, vindo do espaço profundo e há uma distância que estimo em uns 5 mil quilômetros da ISS e em grande velocidade desaparecem atrás da Terra.

            Objetos para serem visíveis nessa distância devem ser enormes, no mínimo semelhantes aos anteriores que já apresentamos.

             O vídeo tem uma duração de três minutos e dezesseis segundos, e as imagens destes OVNIs aparecem aos 2 minutos e 51 segundos33.

            É interessante destacar que meteoros ou asteroides não viajam e formação triangular, até onde se saiba, como costumamos observar os OVNIs fazerem, nos diversos vídeos disponíveis no YouTube.com, e mostramos alguns aqui neste artigo.

 

Figura 18: Frota de três OVNIs desaparecem atrás da Terra

Fonte: NASA/ISS; Lamolina33

 

           O voo em formação é uma característica de esquadrilhas de aviões, aqui na Terra, costume esse que parece ser também utilizado pelos astronautas extraterrestres, pelo que podemos ver. O grande diâmetro dessas naves, que com certeza tem mais de um quilômetro é uma característica de naves transportadoras, interestelares, para possuir espaço de armazenamento de alimentação, água, ar respirável (armazenado), combustível, naves auxiliares, espaço para lazer, etc.

 

                k)    Caso 10: OVNI acelera, saindo da Terra em direção ao espaço profundo

 

            Em outro vídeo, com duração de dois minutos, temos um OVNI, em distância difícil de estimar, em grande aceleração, saindo, aparentemente, da Terra, e dirigindo-se ao espaço profundo34.

             O vídeo possui zoom, tornando possível observar com mais detalhes o tipo do OVNI, enquanto passa pela Estação Espacial Internacional. Assinalei o OVNI em um quadro de cor preta.

 

Figura 19: OVNI acelera em direção ao espaço, aparentemente saindo da Terra

Fonte: NASA/ISS; Changing World34

 

              l)     Caso 11: OVNI é avistado próximo ao Ônibus Espacial

 

            Outro vídeo muito interessante, com 48 segundos de duração mostra um OVNI, próximo ao Ônibus Espacial, e quem postou o vídeo fez um zoom, permitindo ver maiores detalhes do objeto35.

            Veja nas figuras 20 e 21 abaixo, as duas imagens capturadas do vídeo, sendo que o OVNI destaca-se em um quadrado de cor preta:

 

Figura 20: OVNI avistado e registrado à distância do Ônibus Espacial

Fonte: NASA/Tripulação do Ônibus Espacial; Kate Madden36

 

Figura 21: OVNI ampliado com zoom

Fonte: NASA/Tripulação do Ônibus Espacial; Kate Madden36

 

              m)  Caso 12: OVNI pequeno, uma possível sonda de observação, passa entre os astronautas e o Ônibus Espacial

 

            Neste caso, o astronauta está trabalhando fora da estação espacial, capturando um satélite de comunicações e sendo filmado por uma das câmeras.

                       

Figura 22: OVNI, pequena sonda, observa os trabalhos do astronauta

Créditos: NASA/ISS; LunaCognita37

 

               Em um determinado momento, aos dois minutos e dezessete segundos deste vídeo (que possui o registro de outros OVNIs), aparece um pequeno objeto, que desacelera próximo ao astronauta e acelera logo em seguida desaparecendo do campo de visão da câmera. Assinalei o objeto num quadro de cor preta37

              Não é lixo espacial, pois lixo espacial não desacelera, nem muda de direção, nem acelera novamente. É um objeto guiado por uma inteligência, ou um programa de computador muito sofisticado.

 

               n)   Caso 13: OVNI na Lua, abaixo do Módulo Lunar

 

           Observa-se nas imagens abaixo, capturadas do vídeo, que o módulo lunar se preparava para descer na Lua, e bem abaixo, destacado no quadro, aparece um OVNI. Se fosse na Terra até se poderia alegar que era lixo espacial, mas na Lua, naquela época, isso não é possível38.

Figura 23: OVNI e módulo Lunar

Créditos: NASA/Apollo; UniversalTrek39

 

            Na Figura 24, a seguir, a imagem do OVNI foi ampliada com um zoom, destacando-se, inclusive as cores do mesmo. Os números que aparecem no canto direito das imagens fazem parte das imagens originais, possivelmente para os catálogos de imagens da NASA, das missões Apollo.

 

Figura 24: OVNI do módulo lunar – zoom

Créditos: NASA/Apollo; UniversalTrek39

 

               o)    Caso 14: OVNI gigante triangular sobre a Terra

           

               Este é um dos OVNIs de formato triangular, fotógrafados e relatados em outras ocorrências e aparece orbitando a Terra40.

          A imagem foi capturada aos dois minutos e cinquenta e quatro segundos do vídeo, de um total de quase dez minutos (que também contém o registro de outros OVNIs).

 

Figura 25: OVNI triangular gigante em órbita da Terra

Fonte: NASA; LunaCognita41

 

              p)   Caso 15: ônibus Espacial filma e relata frota de 3 OVNIs

 

            As observações registradas neste filme, foram feitas pelo ônibus Espacial, em órbita da Terra, onde é possível ver três ou quatro OVNIs (um não fica próximo o suficiente para ser registrado com clareza), inclusive isso é relatado pelos astronautas, conforme captura da conversa registrada no vídeo. O zoom dado, ao que me parece, foi feito pelos próprios astronautas42.    .

 

Figura 26: Ônibus Espacial filma três OVNIs

Créditos: NASA/Ônibus Espacial; LunaCognita42

 

            A aparência dos OVNIs é a mesma dos demais quando se deslocam em alta velocidade: um suposto objeto luminoso em deslocamento acelerado pelo espaço.

              Não é possível ver a fuselagem da nave, pois parece que, diferentemente de nossos foguetes ou aviões, em que os motores ficam de um lado e a proa do outro, em direção ao movimento, os UFOs possuem propulsão que envolve a nave toda e que também elimina o atrito em voo quando dentro de nossa atmosfera. Do contrário deixaria um rastro de plasma (gases superaquecidos), como o deixado pelas nossas naves espaciais quando reentram na atmosfera ou como meteoros entrando em nossa atmosfera.

 

               q)   Caso 16: OVNI próximo ao Ônibus Espacial

 

            Neste vídeo um OVNI aparece ao fundo, acima do Ônibus Espacial, onde também se observa o braço mecânico utilizado para movimentar satélites e cargas em órbita da Terra43.

 

Figura 27: OVNI próximo ao ônibus Espacial

Créditos: NASA/Ônibus Espacial43

 

                  r)     Caso 17: OVNI aparece ao fundo enquanto astronauta trabalha

 

            O último caso, que apresento é de um OVNI, também voando sobre o topo da atmosfera, em alta velocidade, enquanto o astronauta trabalha fora do Ônibus Espacial. Assinalei o OVNI no quadro preto. O vídeo foi publicado em 20 de janeiro de 2013.

 

Figura 28: OVNI passando sobre o topo da atmosfera da Terra

Créditos: NASA/Ônibus Espacial

            A imagem, capturada do filme, aos 39 segundos de exibição, mostra o UFO, deixando um rastro aparente atrás de si, devido à alta velocidade, que parece não ser de fumaça, nem de ondas de choque44. Posso inferir que a velocidade seja tão elevada que a velocidade do obturador da câmera não consiga capturar o OVNI em todos os quadros, ficando alguns sem serem sensibilizados.

 

4          Considerações finais

 

            Apresentei apenas 17 casos envolvendo OVNIs (ou UFOs), sendo 16 deles, constantes dos registros em vídeo da NASA, mas poderia continuar apresentando dezenas de vídeos e casos, pois a coleção é vasta, basta digitar nos mecanismos de busca da internet as palavras OVNI UFO NASA ISS Shuttle e outras combinações, para aparecerem dezenas de vídeos.

            O interessante é que pela quantidade de OVNIs ou UFOs (sigla em inglês), observados pelos astronautas, os mesmos já fazem parte da paisagem, e, quando muito, merecem algum comentário ou uma visão rápida deles, durante suas atividades externas – chamadas caminhadas espaciais.

             A NASA não se pronuncia a respeito dos UFOs que aparecem nas imagens, e divulga os vídeos normalmente pelos canais oficiais. Os ufologistas de plantão é quem analisam, detalhadamente os vídeos tornados públicos (imagino se tem alguns não públicos), localizam os OVNIs e divulgam em seus canais no YouTube, para conhecimento dos interessados. Se você procurar bem, também encontrará vídeos manipulados pela NASA, eliminando algum OVNI muito explícito da paisagem (imagino que devido há milhares de horas de gravações, ninguém tem paciência para ficar observando os detalhes de cada vídeo e como os OVNIs aparecem normalmente apenas por alguns segundos, é facilmente compreensível que alguns passem desapercebidos por um eventual “sensor” de UFOs da NASA - caso exista um funcionário com essa atribuição).

            Ficou claro para mim, e estes casos são as evidências, de que os extraterrestres monitoram as atividades da humanidade, particularmente as que envolvem tecnologia. Acompanham aviões desde a Segunda Guerra Mundial, dando sustos nos pilotos com suas manobras radicais, e estão presentes em quase todos os voos espaciais, observando os primeiros passos de uma raça mais nova nas bordas do espaço.

            Pelas atividades desenvolvidas pelos mesmos, apenas de observação, sem interferência, podemos inferir sua índole pacífica pois do contrário, já teriam dominado a humanidade e lançado mão de nossos recursos naturais, como é nos apresentado em muitos filmes de aliens ou extraterrestres, em que eles são belicosos e assim são produzidos e são nos apresentados, tal como o Independence Day - Filme 199645 e outros do mesmo gênero.

            Pelo conjunto de dados acumulados nos vídeos citados, é possível tirar conclusões interessantes. Por exemplo, o “mesmo tipo, mesma aparência” de OVNI que apareceu na Lua (sua aparência circular e brilhante não sendo possível distinguir uma fuselagem metálica) filmado pelos astronautas das Apollo, aparece nas filmagens feitas pelos astronautas dos ônibus espaciais e da Estação Espacial Internacional. A semelhança é notável, só que os ambientes em que eles aparecem são muito diferentes. Na Lua não existe atmosfera, que existe na Terra. Logo não dá para se dizer que são fenômenos atmosféricos na Lua que são interpretados como OVNIs, explicação muitas vezes dadas para as observações feitas na Terra, o que, por outro lado, inutiliza as ditas explicações dos ditos especialistas consultados.

             Também não se pode dizer que as ocorrências são alucinações (explicações muitas vezes também dada pelos ditos especialistas), pois alucinações não são registradas em vídeo nem em fotografias, nem tampouco em sinais de radar civil ou militar. Também não se pode desqualificar quem filmou, por falta de capacidade técnica, pois as filmagens citadas foram feitas pelas pessoas mais qualificadas do planeta com tecnologias de ponta. Na minha opinião, beira o ridículo alegar que as ocorrências relatadas não são naves extraterrestres em visitas interplanetárias à Terra.

             Outro aspecto interessante é que os ufologistas postam partes dos vídeos das missões da NASA, feitos pela própria NASA, no site YouTube.com, mostrando os UFOs/OVNIs capturados em seus filmes de documentação das referidas missões, e ela, a NASA, não nega as ocorrências de tais observações. Inclusive uma ocorrência, postada na referência 31 (aqui: www.youtube.com/watch?v=y908SKyQ-rA), foi feita pelos astronautas da ISS. A ocorrência é de 13 de maio de 2014, e foi postada no site em 07 de junho de 2014. Posso inferir, que quem se cala, concorda com a afirmativa.

         A ciência formal também não se pronuncia a respeito, num silêncio constrangedor haja vista a imensa quantidade de observações de OVNIs/UFOs nos últimos 70 anos. Isso ocorre, talvez, por não existir uma disciplina “ufologia” ou “astrobiologia” nas aulas de astronomia ou biologia (ou exobiologia), ou outra disciplina correlata, nas universidades.

                Além do projeto SETI 46, que pesquisa desde 1984, sinais de rádio, possivelmente emitidos por planetas com vida inteligente, procurando diferenciá-los dos ruídos de rádio emitido pelas próprias estrelas; da equação formulada por Frank Drake47, que buscava calcular a quantidade de possíveis planetas habitados por seres inteligentes; da última estimativa da quantidade de mundos tipo Terra divulgada em 02 de julho de 201348, cerca de 17 bilhões de planetas, só em nossa galáxia e mais de mil planetas já catalogados pelos astrônomos, a ciência formal despreza os registros dos OVNIs, estudados pelos ufologistas, não obstante as milhares de ocorrências registradas nos últimos 70 anos pelo mundo todo.

             Os cientistas, físicos, astrofísicos e astrônomos, principalmente, são chamados a se manifestar, pelo que descobri, quando canais de televisão, pagos ou não e a cabo, fazem documentários ou reportagens sobre extraterrestres e OVNIs. O interessante é que existem os programas de busca por vida extraterrestre, principalmente a programas ligados à NASA, mas tais programas são dissociados dos casos das observações dos UFOs/OVNIs, ignorando-as completamente.

              Posso inferir, que talvez a ciência formal passe a dar maior importância à ufologia enquanto uma disciplina formal, se tal matéria for incluída nos cursos de astronomia, astrofísica, biologia, talvez engenharia aeroespacial e análise de imagens, como uma matéria de astrobiologia, em que as evidências que apresentamos e às que existem aos milhares na internet, vídeos e livros especializados, façam parte do escopo de tal disciplina.

                  Encontrei ainda, nesta pesquisa, diversos documentários no YouTube, e assisti muitos pela TV paga, nos canais The History Chanel, Discovery Chanel e NatGeo (bem como comprei muitos DVDs que tratam desse assunto). Alguns desses canais, inclusive fizeram séries com o assunto extraterrestre e OVNIs, como o The History Chanel***.

                Só pelas observações dos casos citados acima, podemos, em engenharia reversa, inferir o domínio de tecnologias acima de nossos atuais domínios e conhecimentos das leis físicas.

              A extrema velocidade, mais de 20 km/s, em nossa atmosfera, sem deixar rastros de plasma pelo ar (como observado nos rastros de “fogo” dos meteoros ou nos rastros de reentrada de nossas naves espaciais na atmosfera - uma cauda de chamas ao longo da trajetória), permite-nos deduzir, talvez, domínio em larga escala de uma espéciede tunelamento quântico, só observado com partículas microscópicas, como os elétrons. É como sair do nosso conjunto de espaço-tempo, como uma viagem no subespaço, tão usual em filmes de ficção científica, mas permanecendo visível pela emissão de fótons, devida à interação dos campos propulsores de energia utilizados com o nosso conjunto de espaço-tempo, pois só vemos um envoltório brilhante em torno da nave, não o casco da nave propriamente dito.

                 Em baixa velocidade é possível observar a estrutura física da nave, como algo sólido, de metal, muitas vezes brilhante, mas, ao acelerar, fica ofuscante e extremamente luminoso, fruto, presumimos, dos campos propulsores.

            Por outro lado, a extrema aceleração que desenvolvem, valida o raciocínio acima, pois, sem dominar a inércia, não seria possível manter a integridade física da nave, pois nada que conhecemos poderia suportar forças inerciais instantâneas de quilômetros por segundo, que são observadas – pois literalmente desaparecem da nossa frente. Isso só seria possível com o domínio da gravidade, ou seja, manipulação do tecido espaço-temporal, desenvolvimento tecnológico que está ainda nos domínios da ficção científica. Nossa física mais avançada está começando a arranhar este terreno, propondo a existência de dimensões superiores.

            É possível acessar pela internet, um documentário sobre as tecnologias alienígenas, por engenharia reversa, aqui49.

            Até é compreensível a censura inicial às ocorrências dos OVNIs/UFOs, encobrimento e estratégias de contrainformação, lançada mão pelos militares americanos, europeus, soviéticos e até de outros países, durante a Guerra-Fria, num primeiro momento, imaginando que eram armas desenvolvidas pelos países inimigos e vice-versa. Num segundo momento, grupos, dentro das forças militares foram criados para estudar as ocorrências, haja vista a percepção de que tais objetos não tinham sido criados pelos humanos, e tentar se apropriar de tal tecnologia, poderia promover vantagens estratégicas ao país possuidor, em relação aos seus possíveis rivais.

            É claro que dadas essas estratégias, a ciência formal deveria ficar de fora, exceto quem participava oficialmente, dentro das respectivas forças armadas e agências governamentais de segurança, mas o sigilo certamente era total haja vista a segurança nacional envolvida, e vazamentos seriam considerados alta traição.

            Por tanto tempo isso foi feito (mais de 60 anos) e tão ridicularizados quem obtinha evidências (fotos ou contatos visuais) da existência de tais objetos, que uma cortina de fumaça quase permanente se colocou entre a realidade das ocorrências, as pessoas comuns, a ciência formal e o público em geral.

            Agora que a Guerra Fria acabou e os governos nacionais perceberam que os OVNIs ou UFOs estão só nos observando, de forma pacífica e sem intromissão em nossos assuntos internos, os governos democráticos foram obrigados a liberar os documentos/relatórios produzidos oficialmente ao longo dos anos, face às leis aprovadas nos respectivos congressos nacionais. Desta forma a humanidade, ou pelo menos as pessoas interessadas no assunto, passaram a ter um contato mais formal com uma nova realidade: os OVNIs/UFOs são reais e os possíveis contatos com eles, verdadeiros (pelo menos aquele percentual mínimo – uns 5% - que não possuem uma possível explicação coerente com a realidade conhecida).

            As ocorrências, nem todas obviamente, foram relatadas formalmente por e para órgãos oficiais de governo (nunca para cientistas multidisciplinares formalmente designados para tal encargo), em entrevistas com os observadores das ocorrências, na sua maioria altamente capacitados, tais como, controladores de radar militares e civis, pilotos civis e militares, bem como imagens de vídeo e fotografias tiradas por observadores diversos (no caso do Brasil, tais relatórios podem ser vistos no site Fenomenum, veja www.fenomenum.com.br6). E, pelo que pudemos apresentar aqui, pelas pessoas mais capacitadas do planeta para esse tipo de ocorrência, os astronautas (mesmo que não admitam isso, seus vídeos falam por eles).

            Este artigo objetivou mostrar, para quem quer que tenha algum interesse no assunto, que a realidade dos OVNIs ou UFOs faz parte de nossa vida. E não precisa ser um especialista para ver isso, basta pesquisar um pouco na internet e adquirir livros ou vídeos históricos nos sites especializados no assunto (veja em www.ufo.com.br)9, como eu fiz.

             Nossos cientistas (astrônomos, físicos, biólogos) estão formalmente desatualizados sobre o assunto – transformaram, por desconhecimento, em mito e/ou um tabu uma realidade física, e fazem de conta que ela não existe. Algo do tipo, se não tomar contato e não ver, não existe! É o medo acadêmico gerado pelos mais de 60 anos de execração pública à que quem viu um OVNI/UFO, que permeia as cabeças e o ensino de nossas universidades (como outras matérias igualmente polêmicas). Admitir ignorância e buscar conhecimento novo exige humildade!

            O interessante é que, as ocorrências não foram estudadas cientificamente, mas simplesmente descartadas “a priori”, algo bem simplório, como um ato de fé ou opção filosófica, que de científica não tem nada, que não deveria fazer parte de mentes esclarecidas e sistemas de ensino acadêmicos.

            É o que queria demonstrar.

 Agradecimentos:

             Agradeço a Silvana Beatriz Bueno, Bibliotecária, com especialização em Gestão de Bibliotecas e mestrado em Ciência da Informação, a normalização técnica deste artigo (e-mail: silvanabueno@gmail.com).         

 

REFERÊNCIAS

  1. WIKIPEDIA. Ufologia. Disponível em: < http://pt.wikipedia.org/wiki/Ufologia> Acesso em: 25 nov. 2014.
  2. SKEPDIC Dictionary The. Disponível em: < http://www.skepdic.com/saucers.html>. Acesso em:  25 nov. 2014.
  3. HESEMANN, Michael. Evidências Incontestáveis: parte III. Alemanha, 2002. 1 videodisco (150 min.)
  4. WIKIPEDIA. Projeto Blue Book. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Projeto_Blue_Book>. Acesso em: 10 dez. 2014. 
  5. TERRA. Argentina tenta tirar óvnis da ficção científica para investigar fenômenos. Disponível em: http://noticias.terra.com.br/ciencia/espaco/argentina-tenta-tirar-ovnis-da-ficcao-cientifica-para-investigar-fenomenos,31a8509dbb381410VgnCLD2000000dc6eb0aRCRD.html>. Acesso em 17 nov. 2014.
  6. FENOMENUM. Disponível em: <www.fenomenum.com.br/ufo/governo/brasil/docbra.htm>. Acesso em: 26 nov. 2014.
  7. YOU TUBE. A ufologia e o projeto SETI. Disponível em: < www.youtube.com/embed/zfcxtfJv-js?autoplay=1>. Acesso em: 26 nov. 2014.
  8. YOU TUBE. Disponível em: < www.youtube.com>. Acesso em: 20 nov. 2014.
  9. UFO. Disponível em: <www.ufo.com.br>. Acesso:10 nov. 2014.
  10.  WIKIPEDIA. Horizonte. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Horizonte>. Acesso em 14 nov. 2014.
  11. WIKIPEDIA. Estreito de Gibraltar. Disponível em:< http://pt.wikipedia.org/wiki/Estreito_de_Gibraltar>. Acesso em: 17 nov. 2014.
  12. YOU TUBE. Real amazing ufo's of 2013 from iss nasa.volume warning!!!!. Disponível em: < http://www.youtube.com/watch?v=UFQCuD2XQvs>. Acesso em: 17 nov. 2014.
  13.  YOU TUBE. The UFOShow. Disponível em: <www.youtube.com/user/TheDrumsAndGirlsShow>. Acesso em: 17 nov. 2014.
  14. GIGANTES do mundo. O maior porta aviões do mundo. Disponível em: <http://gigantesdomundo.blogspot.com.br/2011/10/o-maior-porta-avioes-do-mundo.html>. Acesso em: 14 nov. 2014.
  15. GOOGLE MAPS. Disponível em: <www.google.com.br/maps/dir/Gudivada,+Andhra+Pradesh,+India/Karwar/@16.7799585,74.264825,6z/data=!4m13!4m12!1m5!1m1!1s0x3a361ca9703a5305:0xb92bbf81640f13be!2m2!1d80.99!2d16.43!1m5!1m1!1s0x3bbe60ce1a0140d7:0x3ceab1e851eb586a!2m2!1d74.13!2d14.8>.
  16.  WIKIPEDIA. Meteoro de Cheliabinsk. Disponível em: < http://pt.wikipedia.org/wiki/Meteoro_de_Cheliabinsk>. Acesso em:14 nov. 2014.
  17. YOU TUBE. Apollo 10: To Sort Out the Unknowns 1969 NASA Project Apollo Moon Landing Rehearsal Flight. Disponível em: <www.youtube.com/watch?v=m73j38PjXR0>. Acesso em 26 nov. 2014.
  18.  NASA. Apollo 10. Disponível em: < http://www.nasa.gov/mission_pages/apollo/missions/apollo10.html#.VJhTfP8FACw>. Acesso em 20 dez. 2014.
  19. CARVALHO, Rondinelli. O ex-astronauta Buzz Aldrin confirma avistamento de UFO. Disponível em: <www.youtube.com/watch?v=jBf2WdN0Nq0>. Acesso em: 14 nov. 2014.
  20. CARVALHO, Rondinelli. Disponível em: <https://www.youtube.com/channel/UC44xje3v1iOuESLu3Hz8Hew>. Acesso em: 13 mai. 2013.
  21. TERRA. <http://noticias.terra.com.br/ciencia/espaco/buzz-aldrin-volta-a-contar-como-encontrou-ovni-em-missao,9372ce9254b27410VgnVCM10000098cceb0aRCRD.html>, página visitada em 12.07.2014, às 20:00h, reproduzindo informações do Huffington Post.
  22. YOU TUBE. Buzz Aldrin explains Apollo 11 UFO sighting: not an alien ship. Programa Larry King Live Disponível em:<www.youtube.com/watch?v=E7RUwbqrO08>.  Acesso em: 04 dez. 2014.
  23. YOU TUBE. Apollo 11: a mensagem nunca divulgada. Disponível em: < www.youtube.com/watch?v=t22OwbN2NVo>. Acesso em: 04 dez. 2014.
  24. YOU TUBE. Apollo 11: UFOS filmed in-CisLunar Space. Disponível em: <www.youtube.com/watch?v=JdjaDo3Uc3Q>. Acesso em 02 mai. 2012.
  25. LUNACOGNITA. Disponível em: < www.youtube.com/channel/UCEToPMxkKs9mVqVZQiezLYw>. Acesso em: 02 de mai. 2012.
  26. 26. NOGUEIRA, Salvador. Apollo 11: edição remasterizada. São Paulo: Folha de São Paulo. Disponível em: <http://mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br/2014/07/18/apollo-11-edicao-remasterizada/>. Acesso em: 8 jul. 2014.
  27. YOU TUBE. Apollo 11 Moon Mission Onboard Camera Full. Disponível em: <www.youtube.com/watch?v=wLaYP9zCZJE>; e Restored Apollo 11 EVA, disponível em: <www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=S9HdPi9Ikhk >, Acesso em: 18 de jul. 2014.
  28. TERRA: Passageiro filma OVNI passar embaixo do seu avião no Irã. Disponível em: < http://noticias.terra.com.br/mundo/videos/passageiro-filma-ovni-passar-embaixo-do-seu-aviao-no-ira,7678619.html >, acesso em 12 nov.2014 e também disponível aqui: http://parceirosdecompra.blogspot.com.br/2014/11/passageiro-filma-ovni-passar-embaixo-do.html>. Acesso em: 27 dez. 2014.
  29.  YOU TUBE. OVNI aparece próximo à Estação Espacial Internacional. Disponível em:< https://www.youtube.com/watch?v=MGfzMdDxijM#t=43 >. Acesso em: 13 nov. 2014.
  30.  SeuHistory. Suposto OVNI aparece em imagem divulgada pela NASA no espaço. Disponível em:< http://www.seuhistory.com/noticias/ovni-aparece-durante-video-filmado-pela-nasa-na-estacao-espacial-internacional >. Acesso em: 18 out. 2014.
  31.  THOR Odyssey. Disponível em: <www.youtube.com/channel/UC9fJi0rTUyZGrWyJQVHcPRw>; e também aqui: < www.youtube.com/watch?v=y908SKyQ-rA>. Acesso em 27 dez. 2014.
  32. YOU TUBE. DarkBrain. Best UFO evidence EVER: SHOCKING NASA TRIPLE UFO fly by. Disponível em: <www.youtube.com/watch?v=zb8boxDH-oE>. Acesso em: 26 nov. 2014.
  33.  YOU TUBE. Leaked video of ufos entering Earth. Disponível em: < www.youtube.com/watch?v=Vgmja9FTKPA>. Acesso em 26 nov. 2014.
  34. YOU TUBE. Amazing ufo's of 2013 iss captures ufo's leaving Earth!! (hd) make viral all!! Disponível em: <www.youtube.com/watch?v=qnBlQp_yPEg>. Acesso em: 26 nov. 2014.
  35.  YOU TUBE. NASA UFO sighting July 2013 ! Astronaut reports large unidentified craft in the space.  Disponível em: < www.youtube.com/watch?v=7mX8DrgEry8>. Acesso em 24.dez.2014.
  36. YOU TUBE. Diversos vídeos de UFOs podem ser vistos aqui: Disponível em: < www.youtube.com/channel/UC8PhyVczkXIAJoQTUrqmBgw>. Acesso em: 24.12.2014, Postagem Kate Madden, em 21.04.2014
  37. YOU TUBE. NASA's Alien Anomalies caught on film: A compilation of stunning UFO footage from NASA's archives. Disponível em: < www.youtube.com/watch?v=WlLN_Jcg1pc>. Acesso em 26 nov. 2014. Postagem por LunaCognita, em 24 mar. 2009.
  38.  YOU TUBE. NASA UFO Sightings. Disponível em: <www.youtube.com/watch?v=-fK5C2IPthk>. Acesso em 27 nov. 2014.
  39.  YOU TUBE. Universal Trek. Disponível em: <www.youtube.com/channel/UC8QqbXrfvk1qSfcUBmdi8Fg>. Acesso em: 10 nov. 2014.
  40.  YOU TUBE. Aliens in the NASA Archives - More Stunning NASA UFO Anomalies Captured On Film. Disponível em: < www.youtube.com/watch?v=X-RPWhigpQg>. Acesso em 27 nov. 2014.
  41.  YOU TUBE. Disponível em: <www.youtube.com/channel/UCEToPMxkKs9mVqVZQiezLYw>. Postagem LunaCognita em 01 jun. 2009.
  42.  YOU TUBE. Aliens in the NASA Archives - More Stunning NASA UFO Anomalies Captured On Film. Disponível em: < www.youtube.com/watch?v=X-RPWhigpQg>. Acesso em 27 nov. 2014.
  43.  YOU TUBE. Top Secret NASA Alien UFO Video Discovered. Disponível em: <www.youtube.com/watch?v=ErkSBWOgF88>. Acesso em 27 nov. 2014. Postagem de yourjudgeandjury, em 16 jul. 2011.
  44. YOU TUBE. Real footage from space. It shows real ufo's leaving Earth. Disponível em: <www.youtube.com/watch?v=l-7tPfVvo_0>. Acesso 27 nov. 2014. Postagem de HistoryUfo, em 20 jan. 2013. E também disponível em: < www.youtube.com/channel/UCst0qSu9jXSbynMtlW3zPcA>.
  45. EMMERICH, Roland. Independence Day. EUA, 1996. 1 videodisco. Sinopse disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Independence_Day>. Acesso em 01 dez. 2014.
  46.  Projeto SETI. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/SETI>. SETI Institute. Disponível em: <www.seti.org/>. Acesso em 01 dez. 2014.
  47.  WIKIPEDIA. Frank Drake. Disponível em: <http://pt. wikipedia.org/wiki/Frank_Drake>. Acesso em 01 dez. 2014.
  48.  UOL notícias. Qual é o número estimado de planetas, estrelas e galáxias no espaço? Disponível em: <http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2013/07/02/qual-e-o-numero-estimado-de-planetas-estrelas-e-galaxias-no-universo.htm>. Click Ciência. Acesso em 01 dez. 2014.
  49.  YOU TUBE. Engenharia Alienígena. The history Channel. Disponível em:  <www.youtube.com/watch?v=z6yQ4vrzDwE&list=PL2F2F4B00C55F295E&index=8>. Acesso em 10 dez. 2014.

              

***Vídeos Complementares (acesso em 10 dez. 2014):

a)     Astrobiologia: www.youtube.com/watch?v=Q6vL3d7EJoQ

b)    Em busca do ET: www.youtube.com/watch?v=pXrfR4QGpE4

c)     Contato extraterrestre: segredos militares. History Channel: www.youtube.com/watch?v=RBfvgXVpvps

d)    O Universo: a verdade por trás dos OVNIS:  www.youtube.com/watch?v=qooVGu1d1M4

e)     Mistérios da ciência: a procura de extraterrestres: www.youtube.com/watch?v=ATStmfRCKa0

f)     Tudo sobre os extraterrestres. Discovery Channel: www.youtube.com/watch?v=yVCOV7hwJgM

g)    Mistérios do espaço: alienígenas. NatGeo: www.youtube.com/watch?v=-jy8fQ0FnNg

h)     El universo: criaturas extraterrestres:  www.youtube.com/watch?v=Ruu0L9rX9-0

i)      OVNIs: razoes para acreditar 2002. Discovery Channel Brasil: www.youtube.com/watch?v=re7JFw01Ia4

j)      Mistérios do espaço: alienígenas: www.youtube.com/watch?v=htdE-2jjrGU

k)     Segredos da NASA. Discovery Channel: www.youtube.com/watch?v=439xsu3h_bE

l)      Arquivos extraterrestres: segredos de OVNIs das caixas pretas:

www.youtube.com/watch?v=uUdLWX4LmHI

m)   Contato extraterrestre 01: segredos militares (2013): www.youtube.com/watch?v=ZoOblT-kU_w

n)     Contato Extraterrestre 02: OVNIS em primeira pessoa (2013):  www.youtube.com/watch?v=DNvACxrrNgM

o)    Contato Extraterrestre 03: OVNIS e aviões (2013): www.youtube.com/watch?v=_HRMC3QJr_w

p)    Contato Extraterrestre 04: avistamentos múltiplos (2013): www.youtube.com/watch?v=MGj_9bPf-IE

Encontrou algum erro? Informe aqui!
Material de Apoio

ARTIGOS, APÊNDICES E ANEXOS


MULTÍMIDIA (201)


Warning: array_map(): Expected parameter 2 to be an array, null given in /var/www/vhosts/deusexisteumdesafio.com/httpdocs/capitulo.php on line 201

SUGESTÕES (125)


Warning: array_map(): Expected parameter 2 to be an array, null given in /var/www/vhosts/deusexisteumdesafio.com/httpdocs/capitulo.php on line 278